Quinta-feira, 20 de junho de 2019

Segunda ponte Brasil-PY desafogará fluxo na fronteira; obra será custeada pela Itaipu

21/05/2019
O objetivo da nova ponte é desafogar o intenso fluxo na Ponte da Amizade, que liga Foz do Iguaçu à Ciudad del Este, e estimular o desenvolvimento regional.

Lançada oficialmente pelos presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez, no dia 10 de maio de 2019, a segunda ponte entre os dois países será construída sobre o Rio Paraná e ligará Foz do Iguaçu à cidade paraguaia de Puerto Presidente Franco. O objetivo é desafogar o intenso fluxo na Ponte da Amizade, que liga Foz do Iguaçu à Ciudad del Este, e estimular o desenvolvimento regional. A previsão é que a obra comece ainda no primeiro semestre deste ano e seja concluída em três anos. A Ponte da Amizade foi construída há 54 anos e trouxe muitos benefícios para ambos os países, estabelecendo uma nova era nas relações de ambas as nações e possibilitando que o Brasil se tornasse o maior parceiro comercial do Paraguai.

A cargo do Brasil, a obra será custeada pela margem brasileira da empresa Itaipu Binacional. O investimento total será de R$ 463 milhões, considerando obras da estrutura, desapropriações e a construção de uma perimetral no lado brasileiro. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) terá a responsabilidade de supervisionar o empreendimento, que, por meio de um convênio de delegação, será gerenciado pelo governo do Paraná.

Em nota, o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, explicou que o investimento será diluído ao longo do orçamento dos próximos três ou quatro anos, sem onerar a tarifa de Itaipu, para não prejudicar o consumidor brasileiro.

 

TERCEIRA PONTE

 

Sob responsabilidade do governo paraguaio, uma terceira ponte entre os dois países será construída sobre o Rio Paraguai, ligando a cidade de Porto Murtinho, no Mato Grosso do Sul, a Carmelo Peralta, no Paraguai. Ela será custeada pela margem paraguaia de Itaipu e deverá facilitar o acesso do Brasil ao Oceano Pacífico e abrir mercados para as produções de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

 

(Com informações da Agência Brasil/EBC)

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Seja o primeiro, faça seu comentário. ;)