Segunda-feira, 08 de agosto de 2022

O agribusiness e a era dos complexos agroindustriais

28/07/2022
Está-se visualizando uma nova era de industrialização com implantação de complexos agroindustriais, mas que nesse cenário de oportunidades se contemple o produtor rural, que muitas vezes fica apenas no início da cadeia

O agribusiness mundial, e aqui no Brasil não foi diferente, durante as últimas cinco décadas avançou a tal ponto de revolucionar a atividade realizada nas granjas e fazendas, de fato, transformando esses negócios em um verdadeiro empreendimento rural, mesmo que o próprio produtor não tenha se apercebido do seu novo papel de empresário rural e não de alguém que está à frente de “um negócio de família”, na produção de alimentos na forma de proteínas animal ou vegetal.

A revolução na esfera tecnológica que invadiu o meio agropecuário acabou agregando valores à matéria-prima proveniente da criação animal e da produção de grãos, integrando o campo à cidade na geração de emprego e renda. Sabe-se que a agropecuária contribuiu diretamente para a industrialização em áreas urbanas destinadas a abrigar as plantas agroindustriais, caso dos complexos frigoríficos e de outros empreendimentos que transformam o que o meio rural produz.

Agora, pode-se estar visualizando uma nova era de industrialização com implantação de complexos agroindustriais, mas que nesse cenário de oportunidades se contemple o produtor rural, que muitas vezes fica apenas no início da cadeia. Aliás, o tema dos complexos agroindustriais como parte do agribusiness já foi defendido por especialistas do setor no início dos anos 80, no Brasil, através de publicações que abordaram o assunto, as quais, ainda que esboçadas de maneira bem abrangente, não dispunham dos recursos, inovações, dados e informações que temos atualmente, após consolidada a Agropecuária de Precisão e também do surgimento do “Agro 5.0”.

A proposta que defendemos é de incluir na implantação dos complexos agroindustriais, dentro das oportunidades que surgiram nos últimos anos, aqueles que estão no início da cadeia produtiva de alimentos, os produtores rurais, para que esses possam agregar renda à sua atividade primária, aproveitando-se de subprodutos da atividade, como é o caso clássico do DDG do milho que foi usado na produção de etanol, negócio tão em evidência no Brasil, “país dos biocombustíveis”, e também dos dejetos animais de confinamentos, que podem ser transformados em adubo orgânico ou organomineral, com a adição do NPK e de outras fontes de cálcio, como a alga marinha lithothamnium, que certamente passará a ser usada em maior escala, seja na formulação de fertilizantes, seja na ração animal.

Dessa forma, se ganha com o grão, ou com a cabeça animal, e se ganha também com a produção de biocombustíveis, de fertilizantes, de insumos para ração, de biogás e até mesmo com o “crédito carbono”. Ou seja, a conta passa a ser muito vantajosa e positiva do ponto de vista econômico, sem contar com o incremento da produção agrícola com ganhos de produtividade na safra.

Qual o produtor de grãos que ao menos não se interessaria em “sentar e avaliar” a oportunidade de investir em uma esmagadora, em uma extratora de óleo de soja, milho, algodão, ou em uma usina de etanol de milho, inclusive com aproveitamento do DDG para ração animal usada em “boitel”, com múltiplos ganhos?

Qual o avicultor que ao menos não se interessaria em “sentar e avaliar” a oportunidade de aproveitamento da cama de aviário peletizada para ser usada na lavoura como fertilizante? Ou qual o suinocultor que não se interessaria em avaliar o aproveitamento do dejeto do plantel, um passivo ambiental que pode se tornar um ativo financeiro se for usado como adubo? Nesse caso, podemos até arriscar a afirmar que “uma gota de dejeto vale mais do um quilo de suíno vivo”, diante da atual crise da atividade, caso se consiga implantar uma fábrica de adubo orgânico após se separar as fases dos dejetos, usando-se a parte sólida estabilizada como fertilizante, e a parte líquida para produção de biogás.

Os complexos agroindustriais têm total viabilidade econômica e ganhos garantidos, inclusive com excelente business plan, como é o caso das usinas de etanol de milho que rendem muito aos investidores, nesse contexto de agregação de valores e geração de novas fontes de renda ao produtor rural e a quem empreende no agronegócio.

No entanto, é preciso que fique clara a relação direta entre os elos da cadeia produtiva, do produtor ao varejo, passando pela agroindustrialização e incluindo todo o processamento e a distribuição. E que se faz necessária uma interação de vários setores e atividades, em um cenário onde o empresário rural seja devidamente recompensado pela produção primária e por sua participação em quaisquer investimentos feitos nas fases seguintes da cadeia, proporcionando-se dessa forma um equilíbrio econômico-financeiro em sua atividade e evitando que a riqueza gerada na propriedade fique nas mãos apenas de quem agrega valores até que o produto chegue ao consumidor final, seja na forma de um biocombustível, de uma fonte de energia, de óleos vegetais, ou de fertilizantes. Porque o que está ocorrendo no campo é um achatamento na margem dos produtores rurais, sendo que em muitos casos ele sequer consegue fazer frente aos custos de produção, cada vez maiores. É isso que estamos propondo que seja analisado com mais profundidade e atenção, que se “sente para avaliar” as oportunidades que existem na forma de complexos agroindustriais.

 

* Cesar da Luz é Diretor-Presidente do Grupo Agro10, especialista em agronegócios. E-mail: cesardaluz@agro10.com.br

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Seja o primeiro, faça seu comentário. ;)